Pesquisar este blog

1.4.14

Prefácio de Zé Carlos Batalhafam para meu livro "Itaquera - Uma breve introdução"

Céu de Itaquera a partir da av. Jacu-Pêssego, 2012 (foto: arquivo EF)
Escultura - Pq. Carmo (foto: arquivo EF)



ITAQUERA, SOMOS NÓS!

“Uma breve introdução”, eis as palavras norteadoras que, permeando a leitura, nas entrelinhas da narrativa, nos conduzirão ao entendimento do que foi, do que é e, do que poderá vir a ser o bairro de Itaquera.
Ao escolher “Uma breve introdução” como subtítulo, Escobar Franelas foi muito feliz; sobretudo, por saber que resgatar a história de Itaquera e, torna-la compreensível, é tarefa que exigirá anos de “garimpagem” e, presença de muitos pesquisadores. Afinal, são séculos de existência e escassa documentação disponível.
Adotando a cronologia e a comparação como metodologia, Escobar nos permite visualizar a paisagem peculiar da Itaquera antiga e, nos dá a dimensão das mudanças pelas quais a região passou – desde a longínqua “Roça Itaquera” nas terras de Caaguassú à implantação da “Colônia japonesa”, da implantação do Metropolitano e a construção do “Itaquerão” da Copa de 2014.
Sua cronologia nos permite ver a Itaquera rural do período colonial e entendê-la enquanto espaço urbano das Cohab’s e, do anel viário Jacú-Pêssego; visualizar o velho e o novo no tempo e no espaço.
Se há, aqui e ali, alguma lacuna; é pela simples razão de permitir ao leitor a realização de sua própria busca; deixar espaço para outras pesquisas que o leitor mais atento queira realizar.
A função da obra, como o próprio subtítulo sugere, é instigar, despertar interesse e, sobretudo, contribuir para o registro e resgate histórico deste imenso território que foi, e que é Itaquera.

Poeta, escritor, videomaker e historiador, Escobar Franelas não se furtou do mergulho necessário na bibliografia disponível, e dela, trouxe referências e notas importantes para compor sua narrativa. Isso, além de oferecer densidade ao trabalho, possibilita, a nós seus leitores, o conhe-cimento de outras obras e outros autores que seriamente, também, se  debruçaram sobre o tema.
Construída a partir da ação dos mais diferentes indivíduos, de fora ou de dentro do território, a história total de Itaquera será escrita, também, pela ação de múltiplos agentes. Afinal, a feitura histórica sempre será coletiva.  A história é mais que a ponta do iceberg, a superfície, o conjunto de realizações dos indivíduos num dado tempo e espaço.  É, também, o que não se vê; o que está submerso e que, pouco chama a atenção; as motivações e, a forma pela qual fora produzida.
Então, por que Escobar Franelas escreveu?
Por diversos motivos; mas, sobretudo, para o nosso deleite; para que Itaquera ocupe no cenário paulistano, o espaço que lhe é de direito; para que não esqueçamos o que somos. A história de Itaquera é a nossa história; necessário, agora, é nos reconhecermos.

Zé Carlos Batalhafam – poeta, escritor, memorialista e, claro, também um itaquerense.


Nota: o livro "Itaquera - Uma breve introdução" será lançado no dia 10 de maio de 2014, a partir das 14h, na Biblioteca Sérgio Buarque de Holanda, rua Vitório Santim, 44. Itaquera, São Paulo, SP Tel.: (11) 2205-7406.
 
Batalhafam montando varal com seus poemas durante evento literário em Santos, 2012 (foto: arquivo EF)

Um comentário:

Paulinho Dhi Andrade disse...

Grande abraço, meu querido. Estive aqui...